Musica e Poesia de Alberto Cuddel

 

Ou um Maldito Poema

Tenho lido poemas, que são tudo
Menos poemas, não acrescentam nada
Apenas contam amores a putas
Ou a outras como as demais, – carentes…
Tenho lidos poemas, que são tudo
Menos poemas, palavras soltas
Que contam lamurias, desgraçadinhos
Sem sorte abandonados à morte

Continue reading “Musica e Poesia de Alberto Cuddel”

Musica e Poesia de Alberto Cuddel

Poema ao Beijo

Não sei a que sabe o beijo
Os outros, os que nunca dei
Todos os beijos a todas as mulheres
Essas que traidoramente sonhei beijar…
Beijos amanteigados
Onde deslizavam os lábios
Por faces quentes

Continue reading “Musica e Poesia de Alberto Cuddel”

Musica e Poesia do Autor Alberto Cuddel

 

 

Poesia de Alberto Cuddel, ele faz parte como autor deste blog,mandou muitos lindos poemas poesias, tenho estado ausente mas vou publicando sempre que aqui vier um ou 2 ou 3 dos seus poemas, Obrigado Albert Cuddel 

Poeta sem Tecto

Andava por Longe
Às vezes descalço
As estrelas sob a cabeça
O cabelo grisalho…
Sonhava o mundo com os olhos da alma
Pintava sentimentos na aura
Poeta sem tecto
Cheio de esperança…

Continue reading “Musica e Poesia do Autor Alberto Cuddel”

Musica Portuguesa Dedicatória

Este post é uma dedicatória a uma amiga Blogueira Cristileine Leão e também é das poucas musicas Portuguesas que gosto. A Cristileine deu-me uma excelente ideia para eu fazer um post de musicas Portuguesas o problema é que eu não gosto de musica Portuguesa, ela mencionou o grupo Madredeus, é dos poucos que gosto então esta musica e para mim e para ela vejam o seu blog-Depressão com Poesia  

Musica que me inspiração mais letras

Esquadros

Adriana Calcanhotto

Eu ando pelo mundo prestando atenção
Em cores que eu não sei o nome
Cores de Almodóvar
Cores de Frida Kahlo, cores

Passeio pelo escuro
Eu presto muita atenção no que meu irmão ouve
E como uma segunda pele, um calo, uma casca
Uma cápsula protetora

Ah, eu quero chegar antes
Pra sinalizar o estar de cada coisa
Filtrar seus graus
Eu ando pelo mundo divertindo gente
Chorando ao telefone
E vendo doer a fome nos meninos que têm fome

Pela janela do quarto
Pela janela do carro
Pela tela, pela janela
Quem é ela? Quem é ela?
Eu vejo tudo enquadrado
Remoto controle

Eu ando pelo mundo
E os automóveis correm para quê?
As crianças correm para onde?
Transito entre dois lados, de um lado
Eu gosto de opostos
Exponho meu modo, me mostro
Eu canto para quem?

Pela janela do quarto

Por isso não vá embora
Por isso não me deixe nunca, nunca mais
Por isso não vá, não vá embora
POr isso não me deixe nunca, nunca mais

Eu podia estar sofrendo, caido por ai
Mas com você eu fico muito mais feliz, mais desperto
Eu podia estar agora sem você
Mas eu não quero, não quero

Por isso não vá embora
Por isso não me deixe nunca, nunca mais
Por isso não vá, não vá embora
Por isso não me deixe nunca, nunca mais