Minha vida, teu mar

Minha vida, teu mar

Sentado na borda do silêncio, escuto a maresia dos teus lábios, viajo nas nuvens do teu sonho, entre o sabor salgado da tua pele… por entre a saudade de me ter no mar dos teus beijos, nos tentáculos apertados dos teus abraços, na teia sedosa das tuas palavras! Enredo-me nas memórias perdidas do esquecimentos dos tempos, mesmo assim desinibo-me, perdido nos desejos do teu corpo, por entre a suavidade do voo da gaivota, e a ferocidade do ataque bebendo em ti… cadência da marés, as ondas que te sobem pelo corpo, ora quentes arrebatadoras, ora gélidas, arrepiando a pele…
E mesmo assim, a fina areia condena-me, esfoliando-me o querer… irrita-me pensar-te aqui comigo…

Alberto Cuddel

Deixar uma resposta