Musica e Poesia do Autor Alberto Cuddel

Síndrome das noites mal Dormidas

Magras, tuas mãos pousam
Sobre quem a vida acorda
Longos minutos, e as festas,
Janelas fechadas sempre abertas…
O ar fresco que nos pousa
O frio do chão como as campas,
Rasas de terra queimada pela insónia
Pensamentos errantes de febres
Em palavras ocas que martelam
Olhos que teimosamente abertos
Olham distante o nada que não chega…


Sinos e ardor da garganta,
Queimada por urros secos
Mares e marés sem marinheiros
De uma serra engolida pelo rio…
Lá fora só o vento,
Cigarros por queimar
Árvores inquietas
A dor do querer
Não dormir, não adormecer…
Nas gavetas que não se abrem
Contam-se os passos dados
Procurando algo que me canse
Que por fim me adormeça
Ainda que as agulhas não me costurem o sono…
Alberto Cuddel

 

assinatura 2

Deixar uma resposta