Certezas, Poema

pexels-photo-230986.jpeg

 

Certezas

Profundidade da pedra
E pedra em mim urna certa
Convicta, a luz nasce do alto
Alto que se abstém, e se mantêm
Impávido, sereno, ausente
Nada depende de ti, som da lira!

A luz ladeia-te os flancos
Empolga um momento para além
Certa e concreta eternidade
No silêncio do depois, nada
As aves morrem a cada Inverno
Regressando na Primavera,
Guiadas pelo trenó do norte
Anúncio de bom tempo
E flores, e ribeiros que se enchem
E gelos que se derretem
E corpos que se mostram
E certezas, paixões assoberbadas
Corpos quentes, chamamentos…

Se olhasses as minhas mãos guiadas pelo vento
Adormecerias na incerta consciência do meu regaço
Dormindo e acordando no fervilhante sangue
Entro o sonho e as certas certezas que professas…

Certo é, que tudo se repete…
E nunca teremos certezas de nada…
Mesmo que as noites morram todos os dias!

Alberto Cuddel
31/05/2017
17:20

Deixar uma resposta